Apneia do sono diz respeito á um indivíduo que, durante o sono, deixa de respirar por algum tempo; seus músculos relaxam mais que deveriam, e isso gera um bloqueio das via aéreas; O que acontece, é uma queda nos níveis de oxigênio do sangue. E como resultado, você acorda muitas vezes ofegante e com sensação de falta de ar.

por quê a apneia é tão perigosa?

Muitos não fazem ideia, mas o ronco é mais que apenas um barulho incômodo: Ele é um sinal que indica Apneia do sono; que por sua vez, é  um distúrbio respiratório que pode levar o paciente a ter problemas de saúde graves no futuro. Por exemplo, algum desses problemas são: 

  •  Hipertensão- A apneia do sono reduz a eficácia de medicamentos anti-hipertensivos
  • Insuficiência cardíaca- Conforme estudo, pessoas que roncam, produzem troponina substância que indica insuficiência cardíaca.
  • Contribui para o aparecimento de diabetes tipo II– Quanto piores as crises de sono, maior a quantidade de açúcar circulante  na corrente sanguínea.
  • Leva á ansiedade e depressão–  A apneia promove o aumento nos níveis de glutamato– neurotransmissor relacionado ao estresse–  naturalmente, causando ansiedade e depressão.

Os sintomas da apneia do sono

  • Ronco
  • Engasgo
  • Insônia 
  • Acordar frequentemente
  • Fadiga
  • Alterações  do humor
  • Impotência sexual.

SOLUÇÕES PARA o problema

abaixo alguns tratamentos para apneia do sono:

o tratamento de aparelho intraoral é, antes de tudo, receitado para casos mais
leves ou moderados da apneia do sono. O aparelho então, irá trazer a mandíbula
inferior para frente, também puxando a língua, assim aumentando a passagem de ar.

Para casos mais graves, recomenda-se o CPAP: Aparelho constituinte por uma
máscara que cobre o nariz (e boca) que é usado durante o sono. Assim, o CPAP
garante o fluxo de ar necessário para que o paciente não tenha apneia.

 

 

Caso o paciente não tenha se adaptado ao CPAP ou o aparelho oral, existe também
outra solução: a cirurgia de avanço mandibular. Ainda, a recuperação é mais
fácil, pois se trata de cicatrização óssea, não de tecidos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × um =