Ortodontia Interceptativa - Saiba o que é ortodontia Interceptativa


Compartilhe este conteúdo com seus amigos

Saiba o que é ortodontia Interceptativa

Quando vemos pessoas com dentes bonitos e alinhados, nem sempre imaginamos o que foi necessário para conseguir esse resultado. Possivelmente houve o uso de aparelhos ortodônticos na infância

Existe uma especialidade na odontologia que trata exatamente de identificar problemas na funcionalidade e estética bucal e facial. 

Essa especialidade é conhecida como Ortodontia.

A ortodontia se divide em três principais etapas: Preventiva, interceptativa e corretiva, com métodos e meios disponíveis à serem usados para evitar que uma anomalia dentofacial se instale.

Como já falamos em um artigo anterior, a ortodontia preventiva pode ser aplicada ao longo  da primeira fase de dentição, a partir dos 3 anos de idade [Leia o artigo completo].

Atuação da Ortodontia Interceptativa

Neste texto falaremos mais detalhadamente sobre a ortodontia interceptativa,  que atua em casos onde há problema no posicionamento dos dentes, que pode comprometer mais severamente a funcionalidade e a estética bucal e facial no futuro.

O crescimento adequado da mandíbula, pode ser guiado por aparelhos ortodônticos, no período de 3 a 12 anos, por exemplo, e ajuda a melhorar os músculos da face.

A ortodontia interceptativa também é importante, pois ajuda a preservar ou criar novos espaços para o nascimento dos dentes permanentes, para a correção da mordida aberta, mordida profunda ou mordida cruzada.

Assim, tem como objetivo principal, estimular o desenvolvimento correto da arcada dentária.

Existem contudo, outras  razões para o tratamento interceptativo:

  • Acompanhar o crescimento e saúde dos ossos da mandíbula;

  • Estimular ou retardar a direção de crescimento dos dentes;

  • Acompanhar e corrigir, se necessário, a força e a eficácia da mastigação;

  • Melhorar e proteger a saúde dentária no que se refere a higiene bucal;

  • Proteger os dentes de traumas por atividades diárias, como a mastigação por exemplo, que estejam ocorrendo de maneira incorreta;

  • Problemas diversos que estejam afetando a arcada dentária e os dentes, entre outros fatores.

Quando consultar um ortodontista

A melhor época para tratamento interceptativo é na infância e pré-adolescência, pois nesta fase, aproveitamos o potencial de crescimento de forma geral, para estimular o crescimento da maxila e da mandíbula, evitando danos futuros.

É importante salientar que, a partir dos três anos de idade, já podemos iniciar tratamentos nos casos de mordida cruzada, evitando que na idade adulta o paciente venha a ter assimetria facial.

Existem também, situações prejudiciais, que podem ser corrigidas com a ortodontia interceptativa:

  • Respiração exclusiva, ou majoritária pela boca e não pelas narinas;

  • Má posicionamento da língua, refletindo em deglutição atípica;

  • Agenesias dentárias (falta de dentes);

  • Inclusões dentárias (dentes que não erupcionam);

  • Onicofagia (roer das unhas);

  • Bruxismo (ranger dos dentes, geralmente noturno);

  • Hábitos como chupar o dedo ou chupeta.

Os aparelhos que serão utilizados nos tratamentos interceptativos, serão aqueles que melhor se adaptarem às necessidades da criança, pois quanto mais novos são os pequenos pacientes, mais difícil a colaboração deles no tratamento, sendo então os modelos fixos os mais indicados nesses casos.

A ortodontia interceptativa, deve ser feita exclusivamente na infância e início da adolescência para trazerem os resultados esperados. 

Por isso é tão importante ter acompanhamento odontológico e ortodôntico desde o nascimento dos primeiros dentinhos.

Gostou do texto? Continue acompanhando a Prime Sorriso que em breve traremos novos assuntos para você!